segunda-feira, 30 de junho de 2008

Análise do Draft 2008 - Parte 2

Se você não leu a parte 1 da nossa análise do Draft 2008, você é um bundão e deve ler lá agora mesmo, afinal a parte 1 é a mais importante, foi lá que analisamos as escolhas dos 10 primeiros times a selecionar na noite do draft. Hoje analisaremos aqueles times que em geral não são nem tão bons e nem tão ruins, os meio-termo que escolheram da posição 11 até a 20.

Se mesmo chamado de bundão você não clicou no link acima e leu a parte 1 da análise do Draft 2008, aqui está uma explicação do que significam os Selos de Qualidade Bola Presa:





Alinne Moraes - Melhor impossível.


Paola Oliveira - A Scarlett Johansson brasileira não é a Scarlett Johansson, mas mesmo assim ainda tá bom.

Kelly Key - Tem seus defeitos, dá pra tirar sarro. Mas ninguém aqui recusava.

Aquela mina da balada - Nada de mais, mas na situação era o melhor disponível.

Mulher Melancia - Bom por um lado, ruim por outro.

Traveco do Ronaldo - Chuta que é macumba. Não poderia ser pior.



...

11. Indiana Pacers
Jerryd Bayless, PG/SG


Em trocas:
adicionaram:
TJ Ford, PG
Maceon Baston, SF
Rasho Nesterovic, C
Nathan Jawai, PF/C
Roy Hibbert, C
Brandon Rush, SG/SF
Jarret Jack, PG/SG

perderam:
Jerryd Bayless, PG/SG
Jermaine O'Neal, PF/C

Um dia bem movimentado para o Indiana Pacers.
Começaram com a notícia de que trocaram Jermaine O'Neal por TJ Ford e mais um bando de lixo industrial. Já comentei nesse post aqui essa troca e repito, foi ótima para os dois lados. O Pacers ganhou um armador rápido, talentoso e que pode se encaixar bem no esquema ofensivo e veloz de Jim O'Brien. Mas daí pra frente o dia não foi tão bom assim.

No draft eles tiveram o rabo grande de pegar o Jerryd Bayless. Muita gente achava o Bayless o melhor armador do draft, contando as duas posições de armação, depois de Derrick Rose e OJ Mayo. Não é à toa que era quase certeza que ele ia parar no Sonics. Mas como bem alertou o jornalista Chad Ford da ESPN, se o Bayless não fosse pego por Sonics ou Clippers, era bem possível que ele caísse nas mãos do Pacers ou do Kings, ele botava mais fé no Kings justamente por causa da troca do TJ Ford.

Mas eu fiquei feliz com a escolha do Bayless mesmo com o TJ Ford já no time. Muitos dos que assistiram ao Bayless jogar afirmam que ele é o tipo de jogador que sabe jogar de armador principal mas se daria muito bem como segundo armador, tipo o Monta Ellis. Isso daria uma dupla de armação com TJ Ford e Bayless, que ao lado de Granger e Dunleavy poderiam formar um time bem competitivo e que contaria com a evolução de Bayless e Granger pra ver até onde iriam chegar.

Mas não foi assim que acabaram as coisas, surpreendentemente eles trocaram o Bayless com o Blazers pelo recém-draftado Brandon Rush (irmão do Kareen Rush, também no Pacers) e pelo Jarret Jack. O Brandon Rush tem tudo pra se adaptar ao Pacers também, é ótimo arremessador e jogador maduro, não é um erro ter trocado por ele. Assim como Jarret Jack é muito bom e será ótimo reserva para o TJ Ford, liberando o Tinsley para uma troca. Só que eu acho que sempre devemos tentar sair com o melhor jogador da troca. O Pacers nesse caso optou por ter dois bons jogadores em um bom elenco do que ter um cara que tinha tudo pra ser excepcional. Foi o oposto do que o Grizzlies fez trocando Kevin Love e Mike Miller só pra ter o talento extraordinário do OJ Mayo na sua equipe.

Para compensar, as outras duas escolhas foram boas. Usando escolhas ganhas do Raptors na troca do Jermaine O'Neal o Pacers tenta ocupar o garrafão, principalmente com Roy Hibbert. O Hibbert não é nenhum fenômeno mas aprendeu muito depois de passar 4 anos na faculdade, algo raro hoje em dia nos jogadores da NBA, e é bem alto, bom reboteiro e excelente nos lances livres (acerta 80%). Tendo como competidores David Harrison, Jeff Foster e Rasho Nesterovic, não se surpreenda se Hibbert for titular já no meio da próxima temporada.

Você pode questionar as escolhas do Pacers porque no futuro o Bayless pode ser bem melhor que o Brandon Rush, mas o Pacers sai sim com bons jogadores. Selo Kelly Key pra eles.


12. Sacramento Kings
Jason Thompson, PF
Sean Singletary, PG
Patrick Ewing Jr, PF


A escolha do Westbrook pelo Sonics foi a primeira escolha inesperada. A do DJ Augustin pelo Bobcats a primeira que ninguém entendeu direito. Mas a do Kings com Jason Thompson foi a primeira "Que porra é essa, viado?" do draft 2008.

O cara nunca foi julgado como mal jogador por ninguém que cobria o draft 2008, mas as projeções mais otimistas pro garoto colocavam ele pra lá da 15° escolha. Eu, pessoalmente, coloquei ele na 29° posição na minha previsão. Os jornalistas da ESPN, ainda durante a transmissão do Draft, foram falar com Reggie Theus, técnico do Kings, para entender a escolha, e o técnico foi bem claro:

"Chamamos ele duas vezes para treinar conosco e assistimos mais um treino dele com o Warriors em Oakland. E ele foi o melhor homem de garrafão que vimos treinar em toda a preparação para o draft."

É, quem sou eu pra julgar daqui de São Paulo sendo que o cara viu os treinos dele? Além disso, já faz um tempo que o Kings busca jogadores bons para o seu garrafão, afinal Brad Miller está cada vez mais velho, Kenny Thomas e Shareef Abdur-Rahim não jogam mais metade do que já jogaram e o draft do ano passado, Spencer Hawes, ainda tem muito o que evoluir. Pra falar a verdade, o melhor jogador de garrafão (talvez, para alguns, tirando o Brad Miller) do Kings no ano passado foi o Mikki Moore, que não é lá essas coisas. Um draft arriscado perante os fãs, já que escolheram um cara relativamente desconhecido, mas que parece ter sido feito com muita consciência.

Na segunda rodada o time atacou os dois problemas da equipe. Um deles é a armação, já que o titular do ano passado, Beno Udrih, ainda não disse se volta com o time ou se vai para outro lugar, o amaldiçoado Clippers é uma opção.

O outro problema é o já citado garrafão. Já que tem gente velha, gente ruim e gente que eles querem trocar de qualquer jeito, o negócio é apostar na garotada. E nada melhor do que um cara que já chega com nome, como Patrick Ewing Jr. Ele só ganharia um 21 do pai se o velho Ewing deixasse o garoto vencer, ele não tem 1/10 do talento do papai, mas sabe defender, é grande, pula muito alto e sabe pegar rebotes, às vezes é só disso que você precisa pra ter um espaço na rotação de um time, né, Reggie Evans?

Selo Paola de Oliveira porque eles draftaram um cara da posição certa e com talento. Talvez não aquele talento que eles realmente precisem pra ser um novo time, mas tentaram, vai.


13. Portland Trail Blazers
Brandon Rush, SG/SF
Darrell Arthur, PF
Omer Asik, C
Joey Dorsey, PF


Em trocas:
adicionaram:
Jerryd Bayless, PG/SG
Nicolas Batum, SF

perderam:
Omer Asik, C
Joey Dorsey, PF
Darrell Arthur, PF
Brandon Rush, SG/SF
Jarret Jack, PG

A primeira vista o Portland perdeu mais jogadores do que ganhou, mas analisando mais a fundo você vê que talvez o Blazers tenha saído com os dois melhores jogadores de todos os negócios. Claro que Brandon Rush e até o Darrell Arthur podem ser melhores que o Nicolas Batum, mas o francês parece ser bom mesmo. Além disso, é melhor não duvidar do time que dá show pelo terceiro ano seguido em drafts.

Em 2006 eles deram um rolo em todo mundo e sairam com os dois melhores jogadores daquele ano, LaMarcus Aldridge e Brandon Roy. No ano passado eles conseguiram a façanha de achar alguém que queria o Zach Randolph e pegaram o Greg Oden. Por fim, em 2008, passam de time que tinha uma distante 13° posição, para ser o time que pegou o Jerryd Bayless, que um dia antes do draft era certeza de 4° escolha e de talento inegável. E não é como se o Blazers tivess gastado muito para ter ele, custou apenas sua própria 13° escolha e Jarret Jack, talentoso mas dispensável armador.

Com essas trocas o Blazers tem um dos elencos mais completos e jovens de toda a NBA. O garrafão tem Oden, Pryzbilla, Aldridge e Frye. Nas alas os precisos arremessadores Webster e James Jones, além de um dos líderes da NBA em pontos no quarto período, Travis Outlaw e do recém-chegado Rudy Fernandez, espetacular espanhol, um dos melhores jogadores em atividade na Europa. E na armação eles tem o também espanhol Sergio Rodriguez, o "Steve Nash dos pobres" Steve Blake, o All-Star Brandon Roy e o draftado Jerryd Bayless, que pode fazer dupla com Roy de titular ou vir do banco para qualquer uma das posições de armador.

Garanto que muito torcedor aí queria ser torcedor do Blazers numa hora dessas.


14. Golden State Warriors
Anthony Randolph, SF
Richard Hendrix, PF

Parabéns para o Warriors por draftar nosso querido Richard "Foxxy Lady" Hendrix. Vou torcer pra eles nessa temporada!

A escolha de Hendrix, aliás, foi bem parecida com a da primeira rodada, a de Anthony Randolph. Os dois são jogadores de físico impressionante, os dois são reboteiros, agressivos e vem cobrir a necessidade do Warriors de jogadores que possam jogar no garrafão, marcar os gigantes do outro time e mesmo assim não fazer o time perder sua característica de velocidade. A única diferença entre os dois é o talento mesmo, Anthony Randolph parece mais completo e mais dotado fisicamente (não me entendam mal!) do que Hendrix. Mas nada que a força nominal não compense.

Se bem que, pensando bem, quem vai resolver esses problemas para o Warriors é o Brandan Wright, draft do ano passado. Isso porque o Don Nelson prometeu pra mãe dele em seu leito de morte que nunca colocaria novatos para jogar. Então esperaremos um ano até ver os dois em ação, enquanto isso aproveitamos Brandan Wright e Marco Belinelli.

Draft discreto mas bem feito do melhor time de todos os tempos a não ir para os playoffs.


15. Phoenix Suns
Robin Lopez, C
Goran Dragic, PG


Como disse o Danilo no dia do draft: "O Phoenix terá um pivô reserva? É o fim dos tempos!".

Na era Steve Nash o Suns chegou a ter o Boris Diaw como pivô titular, então ter um pivô reserva sempre foi algo estranho no Suns, o máximo que eles tiveram foram antigos alas de força improvisados, como o Kurt Thomas e o Brian Skinner.

Mas agora, sem D'Antoni no time, o Suns precisa de pivôs e no draft eles conseguiram um bom jogador que pode ajudar o time nos rebotes, nos tocos e em deixar o Shaq no banco o máximo de tempo possível, para ele chegar aos playoffs saudável. O time não está completo, ainda não tem um reserva para o Nash, ainda faltam mais opções de banco em outras posições, como na de ala, onde o time ficou perdidinho nos playoffs na série contra o Spurs quando Grant Hill estava machucado e Amaré Stoudemire estava com problemas de falta.

Selo Paola de Oliveira porque o Suns pegou um jogador da posição que queria, embora não seja um cara que realmente possa fazer tanta diferença no elenco.


16. Philadelphia 76ers
Mareese Speights, PF



Escolha simples, básica e fashion pelo Philadelphia 76ers. A posição mais carente do time era a de ala de força e eles pegaram um ala de força. Além disso, Mareese Speights, além de ter um nome bacana, tem como características tudo o que o Samuel Dalembert não tem, deixando o Sixers com um garrafão mais completo.

Quem conhece o jogador afirma que ele tem um bom arremesso de meia distância, é ótimo no pick-and-roll e até bom passe ele tem. Seu defeito é não ser talentoso o bastante para criar seu próprio arremesso, mas pedir isso na 16° escolha talvez fosse demais mesmo, nada que Andre Miller na armação não resolva.

Na pior das hipóteses é um promissor reserva para Reggie Evans e Sam Dalembert, boa escolha do Sixers.


17. Washington Wizards
JeVale McGee, C



Era óbvio que o Wizards ia escolher um cara para seu garrafão, a dúvida era quem. E optaram por JeVale McGee, um dos melhores nomes de todo draft 2008.

Não que a concorrência de Brendan Haywood seja uma das coisas mais difíceis de se superar, mas não vejo um pivô novato começando tão bem assim, o Wizards terá que pelo menos esperar alguns anos para ver no que dá. O que pode dar, segundo o nbadraft.net, é meio assustador. Segundo eles o McGee pode ser o novo Andrew Bynum ou o novo Patrick O'Bryant, ou seja, eles não tem a menor idéia se o que o cara mostra hoje em dia é o máximo de talento dele, o que não é o bastante para jogar na NBA, ou se ele ainda não começou a se desenvolver e tem um futuro brilhante pela frente.

Já que fica difícil julgar um cara que nem os especialistas sabem no que pode dar, posso apenas dizer que no lugar deles draftaria o Kosta Koufos, que pelo menos parece mais pronto para contribuir na NBA. O Wizards perde há 3 anos na primeira rodada dos playoffs, não podem se dar ao luxo de ficar esperando um manézinho se desenvolver, eles precisam de gente que possa contribuir agora.


18. Cleveland Cavaliers
J.J. Hickson, PF



Linguagem de sites de draft:
Jogador forte, atlético, que corre muito bem para um jogador de sua altura e força. Seu repertório de jogadas de garrafão é decente para um jogador da sua idade. É perigoso quando recebe a bola de frente para a cesta por causa de sua velocidade e de ótimo primeiro passo nas infiltrações.

Linguagem popular:
O mané é um mamute de tão forte mas só enterra, não faz mais nada.

Não resolve os problemas do Cavs mas também não parece ser um cara fadado ao fracasso. Pode ser um meio termo entre os melhores e piores jogadores com essas características de jogo, Kenyon Martin e Stromile Swift.


19. Orlando Magic
Courtney Lee, SG



Depende de quem analisa o Magic, eles têm problemas diferentes. Alguns acham que eles deveriam se focar no garrafão, já que não se sabe como Tony Battie voltará de contusão e porque o único reserva de Dwight Howard é o patético mais bem pago do mundo, Adonal Foyle. Além disso, usar Rashard Lewis na ala-de-força causava problemas de marcação para os times adversários no ataque, mas na hora de defender era o Magic que tinha dificuldades.

Já outros acham que o grande problema do time era na posição 2, já que Keith Bogans não é o cara que você imagina como titular em um time campeão da NBA. O Magic escolheu Courtney Lee e acho que foi uma escolha perfeita. Keith Bogans, além de Keyon Dooling e Carlos Arroyo, é Free Agent e todos eles podem dar o fora do Magic. Além disso, Courtney Lee é bom justamente no que faz o JJ Redick nem ser cogitado como titular nesse time: defesa. Após o draft, o próprio técnico Stan Vun Gundy disse que eles estavam encantados com a defesa de Lee.

Para o problema de garrafão o Magic pode apostar nos Free Agents, essa temporada está cheia de pivôs e alas de força em busca de time e alguns, apesar de não terem lá muito nome, podem se dar bem como reservas de Dwight Howard, jogando alguns minutos por jogo. Na lista desse ano alguns dos nomes que poderiam agradar o Magic são: DeSagana Diop, PJ Brown, Theo Ratliff, Kwame Brown, David Harrison e Francisco Elson.


20. Utah Jazz
Kosta Koufos, C
Amte Tomic, C
Tradija Dragicevic, PF


Comentaram aqui no blog que o Utah Jazz vai ser o time com nomes mais legais na NBA, e não dá pra discordar, afinal eles draftaram o Kosta Koufos, que foi nosso eleito como o melhor nome de todo o Draft 2008.

O pivô veio da mesma faculdade que Greg Oden e, apesar de não parecer tão bom quanto o seu antecessor, parece bom jogador. Tem arremesso de meia-distância, bons movimentos de garrafão e defende muito bem. A maior crítica a seu jogo era o que as pessoas por aí chamam de "Síndrome de Gasol", que significa que seu jogo fica menos eficiente quando ele enfrenta jogadores mais fortes que ficam trombando com ele o tempo todo. Ter um cara desses no Jazz parece heresia, mas é bom ter jogadores assim num time, jogadores mais finesse. Os torcedores do Jazz podem ficar tranquilos que o Matt Harpring e o Carlos Boozer trombam por eles e pelo time todo.

Ótima escolha do Jazz, pode ser o pivô reserva que eles queriam que o Baby fosse. Com Boozer, Okur, Millsap e Koufos, o garrafão do Jazz, que já era um dos melhores da NBA, fica ainda mais forte.

...


Você deve estar se perguntando "como assim o Jazz está com um '20' do lado se eles tiveram a 23° escolha?".

É o seguinte, estou analisando todas as escolhas do time. Então pulei a 17°, do Pacers, porque já tinha falado deles antes, mesma coisa com o Bobcats e sua 20° escolha. Explicado? Então até a próxima análise em que falaremos sobre o resto dos times e suas ações (ou falta de ações, né, Lakers?) no Draft 2008.

5 comentários:

Guilherme disse...

o q foi q o nuggets fez com a sua escolha?

Fiel disse...

vendeu pro blazers ...

Guilherme disse...

vendeu no sentido de dinheiro mesmo?

se for eh muita incompetencia ou desespero(sei la vai q o dono ta falido), de qlqr maneira vlw

Denis disse...

O Nuggets trocou sua escolha com o Bobcats por uma escolha do ano que vem. Como contrato de jogador de 1o rodada é obrigatório, o Nuggets não quis pegar ninguém pra não gastar mais dinheiro do que já gastam com salários.

Quem vendeu a escolha por dinheiro para o Blazers foi o Hornets (27a escolha)

Fiel disse...

Vixe, confundi tudo ... foi mals !