quinta-feira, 18 de setembro de 2008

As férias de Josh Howard

Josh Howard sabe: ali dentro bate um coração


O tédio é o maior inimigo do homem. Se não fosse por ele, ninguém teria criado a pólvora, invadido a Hungria ou tentado chegar na Lua apenas para ver que ela não era feita de queijo. Inventamos todos os tipos de coisas para não morrer de tédio, incluindo uma cruel temporada de 82 jogos na NBA - que, apesar das lesões causadas pelo excesso, até parece coisa de criança perto dos 162 jogos por temporada na MLB, a liga de baseball. Entediados que somos, precisamos arrumar alguma coisa para nos entreter nesse curto período em que o mundo fica completamente sem basquete. É comum, faz parte da natureza do homem procurar alguma coisa para fazer. Para o azar do ala do Mavericks, Josh Howard.

Trata-se da união de duas coisas: a primeira é o tédio, a segunda é uma cultura que idolatra celebridades com a mesma paixão que idolatra saber da vida pessoal de todo mundo. Acho que as duas coisas estão interligadas, aliás: por que você iria querer saber quem é a nova mulher do seu vizinho se você não estivesse entediado? E se o vizinho for famoso, o interesse é ainda maior. Por isso, toda e qualquer atitude polêmica de um jogador famoso da NBA vai parar imediatamente na mídia e o mundo se delicia julgando o sujeito.

A lista de incidentes com o Josh Howard fora de quadra com ampla cobertura da mídia nos últimos tempos foi bastante ampla, por exemplo. Pelo jeito, ele também anda um pouco entediado. Pra começar, admitiu numa rádio que fumava maconha assim que a temporada acabava, assim como vários outros jogadores da NBA. Depois, deu uma festança de aniversário para si mesmo no meio da série de playoff contra o Hornets. Após a eliminação, foi preso por dirigir em alta velocidade no meio de um racha, ação pela qual terá que ir a julgamento. Em seguida, perguntado sobre sua influência sobre as crianças durante um evento de caridade, botou os repórteres para correr. E para finalizar, dia desses foi filmado num evento de caridade durante o hino nacional dos Estados Unidos, dizendo que não iria cantar aquela merda porque ele é negro.

Uma rápida passeada pela internet nos leva a uma multidão de pessoas querendo a cabeça de Josh Howard, criticando o Dallas Mavericks por não tê-lo trocado enquanto era tempo, afirmando que ele não deveria mais jogar basquete, que é um sujeito terrível. Peraí, então se o Manoel da padaria fumar um baseadinho durante as férias, ele passa a ser imediatamente um péssimo padeiro? Que porcaria de lógica deturpada é essa? Até mesmo para uma coisa completamente idiota e reprovável, tipo tirar rachas por aí, isso tornaria o Manoel menos adequado para sua função na padaria?

Nós idolatramos tanto os esportistas de elite que não somos capazes de aceitar que tenham falhas, que sejam humanos, que cutuquem o nariz, que já tenham sido fãs de Sandy & Júnior ou se divirtam com o deslife de lingeries do Superpop. Se o cara faz merda, então ele faz merda, o que isso tem a ver com basquete? Nas férias, o executivo ou dirigente vai pra onde quer, faz o que bem entender e fala o que bem entender. O jogador não pode por qual motivo? Por que o ambiente de trabalho se extende para todo o resto da vida do jogador e ele não pode nunca estar de folga? Pra mim, é tão ridículo quanto ator de novela da Globo apanhando na rua por aí, que é uma coisa que costuma acontecer bastante. Eu até entendo, se eu visse um ator da Globo eu também iria querer bater por eles não terem um pingo de talento, mas eles federem no trabalho não tem nada a ver com a vida civil deles. Não iria querer ninguém me perseguindo no supermercado porque fiz alguma merda no meu emprego, são coisas separadas que não podem se confundir.

No caso do Josh Howard, não apenas misturam sua vida profissional com a pessoal como também julgam suas ações de um modo totalmente conservador e ridículo. Ele não quer cantar o hino nacional, acha que não faz parte do seu país por ser negro e os Estados Unidos tratarem os negros como lixo. É uma escolha dele, oras. Já estou de saco cheio de gente levando patriotismo a sério, é tão ridículo quanto torcedor do Palmeiras não falar com torcedor do Corinthians, é apenas uma convenção, uma linha imaginária. Há uma dificuldade muito grande em lidar com o outro sem exigir que tenha nossas convicções e nosso ponto de vista. Mas no caso dos esportistas, é pior. Quando não são como a gente deseja, reflexos de nossos ideais (ou dos ideais da maioria), achamos que eles "não merecem estar lá". Afinal, eles são famosos, ganham milhões de dólares por ano, dormem com supermodelos e não trabalham num escritório. São honras muito grandes que só deveriam ser alcançadas por seres superiores que não fumem maconha e que cantem o hino dos Estados Unidos com a mão no peito. Ridículo.

Engraçado é que a única voz sensata que se levantou sobre o incidente do Josh Howard não cantar o hino foi justamente do Ron Artest, o jogador mais criticado em quadra pelas coisas que faz na vida pessoal. Ele não passou a mão na cabeça do Josh Howard e nem defendeu o patriotismo, apenas disse que é uma questão de educação, que as escolas deveriam falar mais sobre o preconceito. Que ele entende o que é não se sentir inserido no próprio país mas que, aos poucos, percebe que nem todas as pessoas são ruins, estão apenas divididas pela ignorância e precisam de alguém que possa unir a todos.

Eu concordo bastante com o Artest. Racismo e preconceito é questão de educação. Mas acrescento: patriotismo também. Afinal, o que é o patriotismo senão um preconceito? Trata-se apenas de ter uma opinião pronta sobre valores, indivíduos e regiões sem ter pensado neles antes. Amar ou odiar qualquer coisa incondicionalmente significa que você está se atendo a uma idéia preconceituosa ao invés de pensar melhor sobre as coisas.

No fundo, quando julgamos as ações do Artest, do Josh Howard, do Rasheed Wallace, estamos lidando com preconceitos porque não podemos imaginar como é ser de uma cultura diferente, com uma mentalidade diferente, ver-se tão rapidamente cercado por fama, dinheiro, mulheres e gente vigiando seu traseiro gordo onde quer que você vá. Lembro de uma entrevista com o Jamaal Tinsley em que, após se envolver em um punhado de incidentes com trocas de tiros, ele disse que era algo normal e que acontecia com todo mundo, só o critivavam porque ele é famoso. Diabos, dá pra imaginar uma cultura em que dar uns pipocos por aí é completamente natural? Não dá, mas existe. E temos que aprender a aceitar isso.

Da próxima vez em que o Tinsley atirar para cima em uma boate, tente pensar em que tipo de cultura ele nasceu, que tipo de educação teve, qual o ambiente em que vive. E depois se pergunte: que diabos isso tem a ver com a profissão dele, que é jogar basquete? O que o cu tem a ver com as calças? O Rasheed Wallace tem uma frase genial sobre isso. Intrigado sobre a personalidade de Sheed, que estava feliz e sorridente enquanto assinava centenas de autógrafos para crianças, um repórter perguntou para onde tinham ido as tradicionais reclamações, caretas e a expressão carrancuda presentes nos jogos. "Aquilo é meu trabalho, e você também não iria querer que te atrapalhassem no seu serviço. Mas aquilo fica nas quadras, não tem nenhuma relação com a vida aqui fora." Se mais gente pensasse como ele, Josh Howard poderia ser um completo idiota, igualzinho a bilhões de outros completos idiotas pelo mundo. E sem aparecer nas manchetes, sem ser cobrado pela influência que tem nas crianças. Oras, as crianças são as mais entediadas de todas e por isso ficam jogando Pokémon sem dar a menor importância para a vida do Manoel da padaria - e para a vida de Josh Howard, não importa quantas decisões geniais ou equivocadas ele consiga arranjar.

23 comentários:

Gnomo disse...

Caraca, jah te disseram que tu escreve bem pra caralho?!?

Anônimo disse...

Concordo com 98% do Texto Danilo. E tem mais. Se a criança deixa se influenciar mais por um ídolo de basket, por vídeo games, por tv, por atores e sabe-se lá mais o que, é porque tá faltando alguém que o influencie dentro de casa. Só não concordo com aquele lance " torcedor do Palmeiras não falar com torcedor do curintians." É o contrário, é o torcedor do Curintians que não fala com o tocedor do Palmeiras, rssss.

Heverton Elias

Fiel disse...

Heverton ele falou aquilo pq todo mundo é contra o Corinthians, simples assim ... mas Corinthiano fala com tudo mundo, nao precisa ficar triste !

E a proposito o Mavs recebeu varias ofertas pelo Josh, podem ter certeza, porem baixas. Quer dizer todo mundo quer o Josh como jogador sim, o Mavs se nao gostasse tanto dele ja teria desfeito e o resto dos times querem tirar proveito da situação criada. Eu queria muito o Josh no meu time tb !

Fernando Araujo disse...

Me desculpe, mas sou professor e como professor sou obrigado a discordar de vocês. Esse post foi no mínimo irresponsável. Entendo o que são pontos de vista e também entendo toda essa questão da cultura. Porém quando você diz que as crianças não estão nem aí para as atitudes do Manoel da padaria eu já começo a discordar, porque sim as crianças olham e seguem exemplos de qualquer pessoa que seja algum referencial para eles, e isso é Paulo Freire que falou nem fui eu, incluindo os pais, os tios, os professores, o dono da padaria, o motorista da kombi que ela pra escola, etc. Ainda mais uma estrela, que influencia, sim influencia, muita gente, não só criança, mas jovens e adolescente. E me lembro dos meus 15 anos de como o Renato Russo me influenciou, sua maneira de ver a vida e tudo mais, você imagina quantos moradores de Dallas não vêem Dirk, Kidd e Howard como exemplos de vida? Nem todo mundo tem 20 anos e cultura, que por sinal vocês tanto prezaram no post, para compreender que o cara faz aquilo por cultura e principalmente tem a cabeça formada para não receber atitudes de seus ídolos como influência. Me desculpem mas eu nunca vou concordar com um post desse nem com um comentário como este acima que diz que se a criança está sendo influenciada por outras coisas é por algum erro de dentro de casa. Crianças são passiveis de influência e ainda estão em estágio de formação, não podemos compra-los com adultos. E isto também vale para este blog, afinal existem crianças que lêem ele e são influenciadas por vocês. Obrigado pela atenção e espero que me entendam.

Fernando Araujo

Fernando Araujo disse...

kombi que leva ela para a escola *, compara-los*

Manguxi disse...

Danilo, vale realçar, que quando o cara envolvido na «polémica» é negro, o assunto vira gol de placa para a imprensa.

Em tempos, Robinho gastou 8% do seu (suado)salário, retirando 51 mil libras do seu módico salário mensal de 600 mil libras, na compra de um relógio, e a imprensa botou o pau nele.

O cara pode, não robou, o quê que isso tem a ver com tiradas (infelizes) como essa por exemplo: Você pode tirar o negro da favela, mas nunca a favela de dentro dele.

O ideal seria, ignorarmos este tipo de informações. Verdade também é, que o prazer da fofoca não nos deixa.

Kelabrassu!

Danilo disse...

Fala, Fernando.

Você tem razão no que está dizendo, a criança é influenciada pelo que está à sua volta, e acredito que você tem mais conhecimento prático sobre isso do que eu. Mas é necessário colocar as coisas em perspectiva, na minha opinião. Você acha que a criança recebe mais influência dos pais e da escola ou do padeiro que ela vê uma vez por dia e não tem intenção de passar mensagem alguma para ela?

O Renato Russo que tanto te influenciou é um artista, alguém que está se expressando e que quer passar uma mensagem. O cuidado que ele tem ou não com as crianças depende da mensagem que ele pretende passar. Mas Josh Howard é um atleta, ele tenta colocar uma esfera laranja dentro de um aro, não formar caráter. Seria completamente injusto exigir esse tipo de postura dele. Se a criança o toma como referência para qualquer coisa fora da quadra, provavelmente está seguindo exemplos de uma cultura (seus pais inclusos) que se importa com as coisas erradas e supervaloriza a noção de "modelo" no esportista.

É claro que você tem razão ao dizer que a influência existe. Mas não há como um blog de internet sobre basquete, mesmo que bacanudo, ter mais influência na vida de uma criança do que seus pais e seus professores, que passam a maior parte do tempo com ela. Li material suficiente analisando a influência de videogames no comportamento violento das crianças, é um assunto que pesquiso a fundo. E bato o pé: pais que explicam para a criança que o videogame é faz-de-conta, e que portanto explicassem que o Josh Howard está sendo visto pela TV, que joga basquete e que na vida pessoal pode fazer muita merda, resolvem o problema. Criança não é burra, ela compreende perfeitamente essa diferença entre "o mundo lá da televisão" e o "mundo real", de modo a priorizar os exemplos reais que recebe da vivência próxima, imediata. Quando você critica o Josh Howard por ser má influência ou um videogame por ser perigoso na frente de uma criança, você está embaçando sua linha que separa real e ficção, próximo e longe. Comprometer essa linha é perigoso, do ponto de vista psicológico.

Escrevi demais mas é que o assunto muito me interessa. Se você quiser, podemos nos sugerir algumas leituras a respeito.

Abraços,
Danilo

Manguxi disse...

Fernando, concordo consigo.

O Problema é a imprensa, se acha que o cara é um exemplo, e influencia, porquê passar essas informações que não têm nada a ver com o que o cara faz profissionalmente? Nesse caso, o jornalista é que está sendo irresponsável.

Por acaso, alguém sabe: qual o cheiro do pum do jornalista, quais as posições ele usa na cama com a sua mulher, que pirueta ele faz quando está chapado?...

bahia disse...

Ia escrever só para elogiar o texto, achei sensacional e bem escrito pra caralho. É muito bom vir aqui não só para ler um blog de basquete divetido, e deve ser por isso que eu venho, afinal estou tão entediado com esse vazio entre temporadas que estou considerando até participar de rachas e fumar maconha.
Mas, sinceramente, achei mais foda ainda o modo inteligente e ponderado que a discussão nos comentários foi levada. Não tem nada mais ridículo do que quando uma discordância nos comentários vira quase uma ofensa pessoal e vira tudo uma grande babaquice. Parabéns!

joao_mavs disse...

oq o danilo falo eh verdade, num eh pq o cara fuma que ele desaprendeu a jogar basket, o cara fumo as ferias todas mas vem melhorando suas medias temporada atras de temporada, e esse ano qnd o dirk ferro o pé o lider do time foi ele, porém oq ofereceram por ele foi simplesmente ridiculo, ofertas que eu num aceitaria nem pelo devean george...

gosto de josh como jogador eh mt versatil, defende mt bem...

alias poderia se pronunciar aki quem trocaria o josh howard pelo darko milicic?

Isiah Thomas disse...

Eu trocaria!

Anônimo disse...

Sobre influencias quando criança é muito complicado, pq tudo na vida depende e td na vida varia de pessoa para pessoa,
Eu nunca tentei pular da janela com uma capa achando que era o Super Homem, e tem criança que é influenciada por ele e ja tentou fazer isso.
... Josh fuma maconha, como se isso fosse a coisa mais absurda hoje em dia, os atores da globo não fumam maconha ?

... o Renato Russo o influenciou quando criança, isso fez vc ser um homosexual ??? não e pq o Josh faria uma criança fumar maconha ???

De um ponto de vista geral, dou razão para o blog e se o Josh influenciou o rapaz a fumar maconha e não cantar o hino, ele ensinou que o negro tem que ser mais valorizado e que ele precisa fazer uma universidade para tentar ser draftado.

Abraços

Caio_SBC

Anônimo disse...

O Fiel, falei aquilo só pra zuar. E não é Corinthiano, e curintiano mano, curintiano!!! (rsss)

Heverton Elias

Felipe Jr. disse...

Eu axo errado atleta usar qualquer tipo de droga antes, durante e depois da temporada, da novela ou simplesmente antes de sovar um pão na padaria...Eu sou contra usuarios de drogas e axo isso errado...Tambem axo errado uma pessoa que nasce num pais e cresce nele negar seu patriotismo sob a bandeira do mesmo por pior que seja o pais, mas foda se ...

Tambem nao axo completamente certo reclamar da midia expondo a vida de uma pessoa q basicamente vive da midia e da exposiçao...

Sei que eu axo um monte de coisa errado...

Oo

Junior disse...

Alias


o Fernando citou o Renato Russo

bem, ele era gay e usava drogas


vc Fernando, que tanto foi influenciado por ele, é gay e/ou usa drogas?

Anônimo disse...

O Hitler invadiu a Polonia...e nao a Hungria

Danilo disse...

Na verdade Hitler invadiu a Hungria em 44 depois que os húngaros "viraram casaca", mas eu estava me referindo à invasão da União Soviética quando a Hungria quis independência do socialismo.
Aliás, quando a mãe de todo mundo reclamar que vocês passam tempo demais na internet lendo sobre basquete, não deixem de dizer que o Bola Presa também é cultura!

Anônimo disse...

Oh...pensei que se referia à Polónia...no final, essa invasão despoletou a II World War

Fernando Araujo disse...

Rs, de mulher eu gosto e muito, muito bom ser professor por sinal, e drogas eu nunca usei.

O ponto que nós chegamos Danilo foi realmente o fato de como está o processo de influência das crianças. Por mais que nós coloquemos músicos como agentes influenciadores intencionais(e certamente o são. infelizmente a Tati Quebra-Barraco, o MC Creu e a Kelly Key entram nessa lista), nós temos que admitir que, ruim ou não, os atletas, as modelos, as atrizes, o Pedro Bial e até a Glória Maria influenciam e muito a maneira de viver dos brasileiros e se você trocar esses nomes e trocar por JayZ, Usher e Ophra entre outros, isso você verá também nos EUA.

Você não acha que um jogador como o Ronaldo "Zach Randolph" que foi até uma guerra, é embaixador da ONU, etc e tal influencia um monte de pessoas, e não só crianças? Não estou dizendo que só por que ele foi pego com 3 amigos do Richarlyson todas as pessoas que são influenciadas por ele iriam pegar uma Vera Verão da vida.

Mas pensem só, porque a Nike gasta milhões de patrocínio com esses atletas? E não só a Nike tem muitas outras. Bem simples, por que eles vendem. E por que eles vendem? Por que eles influenciam as pessoas a comprar.

É verdade que são conceitos ruins, prefiro mil vezes alguém sendo influenciado pelos professores do que pela Xuxa(ah, bons tempos aqueles), não que todo mundo que foi influenciado pela Xuxa vá querer ficar solteira para sempre(apesar desta tendência estar sendo muito ponderada) ou fazer pacto com o Demo(quem disse foi o Tio Chico), porém não vejo como a Xuxa pode acrescentar na formação de uma criança que seja melhor do que um professor.

Isto vai para muitas outras coisas, de novelas até revista Marie Claire e blogs(não podia deixar escapar,rs), tudo no mundo gira em torno de influência, e quando qualquer um agente influenciador(ou formador de opinião, como queiram), entra por caminhos ruins isto pode ter alguma conseqüência ruim para quem é influenciado(pode ter ou não, pode ser que alguém vire Gay ou use droga, ou os dois, por causa do Renato Russo, por que não).

Não estou entrando em nível de influência, quem influencia mais ou menso que o outro, e sim no fato de influenciar. O fato do real e do fictício também é interessante. Mas é bem difícil(não impossível) uma mãe ensinar para sua filha que perder a virgindade é legal depois do casamento,ou pelo menos com tudo planejado, e que a malhação é fictícia.

Entramos muito mais em sociologia, do que em pedagogia e ambos são muito extensos. Procura qualquer coisa do Paulo Freire(Pedagogia) ou do Émile Durkheim(Sociologia) que são dois excepcionais escritores que falaram sobre isso.

É um prazer dar opinião num tópico tão interessante, curiosamente num blog sobre basquete, o que já o faz interessante. Já estou no blog como leitor tem um bommmmmmmmm tempo, e por conta de algumas pessoas que fazem comentários de baixo nível evito comentar.

Abração, e obrigado de novo pelos comentários.

Fernando Araujo
MSN/email: fernandoweb@click21.com.br

Fernando Araujo disse...

puttzzzzzzz, escrivi pra c*****

Fernando Araujo disse...

Atenção, todos vocês que são perseguidos pelas suas mães por ficarem no bola-presa e vendo basquete até altas horas.

Mostrem esta área de recados para a mãe de vocês, rs.

Talvez ela aumente a sua velox.

Fernando Araujo
MSN/email: fernandoweb@click21.com.br

Felipe Jr. disse...

Putz mais um intelectual pra faze dupla com o renzo nos comentarios com conteudo, e intelectualidade e n° de caracteres...
q saco

aheuaheuaheuaheuaheuaehuaeh

brincadeira cara

mas eu como Jazz q sou tenho q cumpri meu papel de HATER aki..

Vinny disse...

1°E SE O MANUEL FIZER O MEU PÃO, BEM "DOIDÃO"..E ERRAR NO FERMENTO
Bem ...a pergunta dos torcedores do Mavs não é sobre o tal do MANUEL(deixemos ele a cargo dos saudosos MAMONAS ASSASSINAS)..
O problema todo foi que Josh Howard declarou grande parte dos seus "pecados" na hora mais importante da vida de qq time da NBA:NOS PLAY OFFS!
É Fato que , AO CONTRARIO DE OUTRAS "ESTRELAS" DA NBA _até mais controversas_ como Allen Iverson e , até uns 10 anos atas, o "EXECRAVEL" DENNIS RODMAN_que era visto vestido de TRAVESTI, COM CABELOS COM INUMERAS CORES, ACOMPANHADO DE VARIAS MULHERES(ainda sim , vestido de travesti(rs))...e seus respectivos times tiveram "OTIMOS MOMENTOS" na NBA(o Iverson ja teria ido a uma final de NBA e o Rodman a , pelo menos, 6)
Mas a "INFLUENCIA NEGATIVA" que esses jogadores tinham sobre o restante do plantel NÃO ERA SENTIDA_pelo contrario, o Dallas Mavericks é um time com boas campanhas na temporada regular e , "na hora h"_ou seja, nos play offs_ o time "naufrava" ao primeiro sinal de pressão!
Bem, seu "ATOS IMPENSADOS" nos levam a "SUPOR" que talvez ele fosse o responsavel por toda essa DECAIDA!
Pois é, o inexperiente Avery Johnson foi responsabilizado pela auta cupula do time e foi demitido_ja que ele estava em sua segunda temporada como treinador, apesar dos bons resultados na temporada regular, ele estava presente nos dois "naufragios" em play offs que o Dallas teve na gestão Mark Cuban_empresario apontado por muitos como sendo o verdadeiro "motor" do renascimento da Franquia como um time verdadeiramente competivo.
Mas, todavia, o Mesmo "Milagreiro" parece também ter seus pecados_em um jornal da Região , do Texas, o proprio Cuban declarou que "nunca jogaria um amigo em frente a um Ônibus."
Amigo!!!
Como assim!Também quero ser amigo do Senhor Mark Cuban..você, um milionario tão "generoso".
Esse seu "amigo", Sr. Cuban custa 9 milhões de dolares do seu bolso e dos investidores que anunciam nas partidas do Mavs.
Além disso, seu investimento vive da atenção que as pessoas dão a ele.
E o que você faz com esse investimento...deixa um "amigo"_que deve ter seu problemas pessoais, não há como negar_ DETURPA-LO ao bel prazer.
Devo lembrar , Sr. Cuban, que anos anos 80_na epoca do 1ª gestão do Mavs_ um jogador PROMISSOR de nome Roy Tarpley, também foi pego com drogas_mais pesadas que as que seu Manuel e que o Josh Howard consumiram_ e em algumas vezes a diretoria deu "oportunidade" para ele se reabilitar.
Houveram também más cotratações _de jogadores veteranos, havendo a dispensa de jogadores mais jovens_ que se contundiam com frequencia...
Conclusão...em 1987 eramos um time de 55 vitórias na temporada regular...4 anos depois _com as seguidas internações de Roy Tarpley e com as contusões desses veteranos e , por fim, havendo depois trocas "desvalorizadas" por "novatos" mais saudades, mas menos habilosos_ o time fez uma das piores campanhas ja vistas por um time da NBA:11 vitórias na temporada inteira.
Bem a história recente lembra um pouco o que está ocorrendo:Não renovação do contrato de Steve Nash(que depois "ESTOUROU" e se tornou MVP nos Suns); a troca do Notavel Ala-Pivo Antawn Jamison(detentor do titulo de melhor sexto jogador no ano em que esteve no mavs, e que poderia fazer hoje uma belissima dupla com do Dirk , ja que ele pega bem amis rebotes ofensivos que o Alemão) pelo "veterando contundido e baleado" Jerry Stackhouse(muito "simaptico" pro sinal..mas se simaptia ganahsse jogo..); não negociação do contrato do veterano Michael Finley(tornando o time do mavs o MAIOR TETO SALARIAL DA NBA, com o pagamento de seu salario, enquanto ele era reserva de luxo_e campeão da NBA_ pelos Spurs)
E agora um "DROGADO" que só tras confusão!
Bem "Sr." Cuban, vossa senhoria ja é o terceiro dono desse time...será que , novamente o Dallas vai repetir essa mesma história!
Espero que não.
"E quem avisa amigo é"_como diriamos aqui no Brasil.E não quem causa tanta confusão a uma instituição que esta querendo encontrar seu espaço num ramo tão competitivo como é o basquete profissnal norte americano.