sexta-feira, 13 de março de 2009

Desconhecido do Mês - Von Wafer

O cara com nome de bolacha

Atendendo a pedidos, está de volta a seção do Desconhecido do Mês. Tá bom que como não tivemos nenhum nos últimos meses e eu não prometo nada para o futuro, bem que pode ser o Desconhecido do Ano, mas tudo bem, é só um nome mesmo, como a Frase da Semana que a gente muda a cada solstício.

Para ser o desconhecido da vez eu escolhi uma favorito do Danilo no time dele, um cara que está na luta por um lugar na NBA há anos e que só agora conseguiu espaço de verdade: Von Wafer.

O Wafer é um shooting guard (posição 2) e apareceu para a NBA no draft de 2005, com 20 anos de idade, quando foi escolha número 9 da segunda rodada do meu Los Angeles Lakers. No Lakers ele jogou apenas 16 jogos, um total de 73 minutos, média de menos de 5 por jogo, e quase não fez nada. Acabou sendo mandado para a D-League para jogar no Colorado 14ers, onde foi eleito o jogador do mês em Janeiro de 2007. Quase dois anos jogando entre os fracassados.

Depois de tanto tempo na D-League ele teve chances em mais três times: jogou uma única partida, com apenas um minuto dentro de quadra pelo Clippers em 2006-07, e em 2007-08 jogou 21 jogos pelo Denver antes de ser trocado para o Portland em troca do Taurean Green. No Blazers jogou mais 8 jogos. Como Free Agent ao final da temporada passada ele assinou com o Houston Rockets.

Pelo Rockets ele fez sua estreia contra o Spurs no dia 14 de novembro, marcando 6 pontos em 18 minutos. Pode parecer um jogo ridículo e comum mas foi só a segunda vez na carreira, desde o draft de 2005, em que jogou mais de 16 minutos em um jogo! Ter uma atuação dessas logo no primeiro jogo deve ter dado uma confiança para o Wafer que todo jogador precisa. Melhorou mais quando ele jogou 17 e 18 minutos nos jogos seguintes.

Aí ele teve uma sequência de jogos com menos de 10 minutos, incluindo até um em que jogou menos de um. Tudo porque Tracy McGrady jogou mais tempo nesses jogos. Quanto mais o T-Mac joga, menos tempo para o Wafer em quadra. Não é à toa que hoje, quando tem mais tempo em quadra, é com o T-Mac machucado. Mas veremos que não foi só isso que fez o Wafer ganhar seu espaço no time.

Ele voltou a jogar bastante no jogo contra o Denver no final de novembro, quando o T-Mac não jogou. Foram 19 minutos em quadra e 6 pontos. Depois 18 pontos em 21 minutos no jogo contra o Warriors e por fim 15 pontos em 30 minutos contra o Grizzlies e como titular! Finalmente o Wafer havia conseguido a confiança de uma comissão técnica e tinha lugar cativo em um time. Antes dele ser titular nesse jogo contra o Memphis, quem havia recebido a vaga do T-Mac no time titular tinha sido o Luther Head, jogador de força nominal enorme e que era aposta antiga do Rockets.

Aos poucos a confiança no Wafer foi aumentando mais, mas aí não foi traduzida tanto em números, afinal ele continua jogando sempre entre 10 e 25 minutos por jogo, mas agora tem papel mais importante e joga em momentos mais decisivos.

Ele se tornou o principal arremessador de três do time, então tem jogadas desenhadas pra ele, usadas principalmente quando o time precisa de uma bola de 3 pontos para cortar lideranças. Também se tornou jogador importante nos momentos finais dos jogos, agora sempre está no quinteto que disputa os quartos períodos. A maior prova disso foi a bola de 3 que ele meteu contra o Celtics, em Boston, que acabou sendo a cesta da vitória.



Para se ter uma idéia, hoje ele é o quarto cestinha do Houston em quartos períodos. Ele faz 3,6 pontos por quarto decisivo e só fica atrás de Yao (4,6 pontos), Brooks (4,0) e Artest (4,0). Tudo isso fez com o que o Luther Head acabasse sendo até dispensado do time mesmo com T-Mac fora da temporada. Sinal de que o Rick Adelman acredita que Artest e Wafer dão conta do recado na posição 2 do time.

Para chegar na posição que ele está hoje, o ápice da sua carreira como jogador, o Wafer teve que passar por muita coisa. Sua história no basquete começa na escola Pineview em Louisiana, onde ele jogou os primeiros três anos do seu High School (o ensino médio de lá que tem 4 anos), com médias de 32 pontos, 10 rebotes e 7 assistências. Porém, por causa da escola, ele era um desconhecido no mundo do basquete ainda.

As coisas mudaram quando o técnico Tim Loring o chamou para participar de torneios com um time amador durante o verão americano. A exposição com esse time abriu espaço e o Wafer acabou indo disputar o seu último ano de escola na Heritage Christian Academy em Cleveland. Mas não a mesma Cleveland do LeBron ou o da Família da Pesada, é uma cidade chamada Cleveland mas que fica no Texas e tem só 7 mil habitantes. Lá ele ganhou mais notoriedade e foi convocado para o McDonald's High School All-American.

Esse jogo do McDonald's é uma espécie de All-Star Game colegial, todos os grandes jogadores da NBA nas últimas décadas passaram por lá. Entre os MVPs dos jogos estão caras como Alonzo Mourning, Shaquille O'Neal, Jerry Stackhouse, nossos gordinhos Zach Randolph e Eddy Curry, Dwight Howard, Kevin Durant, Michael Beasley e, em 2003, no ano do Von Wafer, LeBron James.

No mesmo ano LeBron foi também o vencedor do cameponato de enterradas, em que disputou a final com o Shannon Brown (hoje no Lakers e que sabemos que pula muito), com o atual novato JR Giddens e com o próprio Von Wafer, que acabou sendo o vice-campeão. Alguém aí sabia que o Wafer sabia enterrar? Eu não. Tanto que no YouTube você é capaz de achar essa jogada patética:



Saindo do colegial o Wafer foi para a Florida State University, universidade famosa mas que não rendeu muitos jogadores da NBA em sua história, apenas 26. Entre os mais notórios estão Sam Cassell, Dave Cowens (o único no Hall da Fama), Bob Sura, Charlie Ward e Al Thornton.

Lá, Wafer teve médias e atuações bem mais ou menos como novato, apenas no seu segundo ano ele foi ser o cestinha da equipe com 12 pontos por jogo. O que manchou sua imagem na universidade foi quando foi suspenso por uns jogos porque matava aulas e não ia nos grupos de estudo. Não é à toa que tantos jogadores não gostaram da regra de ter que fazer pelo menos um ano de faculdade antes de ir pra NBA, imagina ser foda como o Kevin Garnett, por exemplo, e ter que apresentar um seminário numa segunda-feira de manhã? É dose.

Cansado dessa porcaria de vida acadêmica, o Wafer decidiu entrar no draft de 2005 mesmo com muitos especialistas dizendo que ele não tinha chance. E os especialistas tinham toda a razão: o Wafer não era nada espetacular, não tinha uma boa imagem e nem para o famoso camp de Chicago ele foi chamado. É nesse treinamento de Chicago que todos os caras menos conhecidos se mostram para os times e acabam ganhando ou perdendo uma chance na liga, e o Wafer nem convidado para entrar nos times desses perdedores foi.

E para piorar, em um treino para o Suns, o Wafer se irritou com o pivô alemão Jan Jagla que treinava com ele e deu um cotovelada no alemão antes de sair andando e ir embora no meio do treino. Wafer chegou a ter comportamento parecido quando já estava no Lakers, quando uma vez deu um soco no Sasha Vujacic. A gente sabe que o The Machine é um chato e que todo mundo odeia ele, mas dar um soco é demais para um novato sem moral. Qual era a chance de um esquentadinho desse, sem o talento do Artest ou do Rasheed, dar certo?

Em algum momento ele tinha que ter sorte para chegar onde chegou. Um dos olheiros do Lakers, o Irving Thomas, que jogou pela Florida State, foi por duas vezes ver jogos da sua alma mater e acabou gostando do Von Wafer. Convenceu os caras do Lakers a fazer uns treinos com ele. Assim o LA tinha a sua escolha de segunda rodada e o Von Wafer tinha, depois de tanto ficar em segundo plano, um espaço na NBA.

Aqui algumas boas jogadas do Von Wafer na sua curta carreia na NBA:

Primeiro ele dá uma de Jordan e enterra no rebote do lance livre. Isso foi ainda pelo Lakers:



Já pelo Houston ele deu um toco espetacular no Mo Evans:



E aqui são suas enterradas no campeonato de enterradas do McDonald's All-American de 2003:

9 comentários:

Anônimo disse...

Ah..a velha sessão desconhecido do mês,sem ela não conheceria tren hassel,royal ivey e dj mbenga(iria conhecer posteriamente pois ele jogo no lakers e sempre leva uma enterrada na cabeça).


Vitor A.

Genaro disse...

Eu adoro (ou adorava né?) a sessão desconhecido do mês.
O DJ MBenga tá jogando muito atulamente le não é mais desconhecido.
Ele ate aprendeu a arremessar e fez seus carrer highs outro dia com 10 pontos e 5 tocos.Tudo que o cara precisa são minutos.

O Wafer eu acho que aquela 2° jogada não conta como lance bom pq ele deu um toco no Evans esse cara deve ser um dos caras que mais leva toco na NBA ele toma toco toda hora.Até eu daria um toco nele.

Holandez disse...

Peguei ele na liga de fantasy por uma merreca =D

Agora me digam, o Rockets vai dar mais espaço pra ele ou vão deixar ele ser o scorer de algum time fraco??

Guilherme²³ disse...

nusss
que que foi esse toco do shannon brown! caraio!

Junior disse...

Porra, eu gosto pra caralho dessa sessão pq mostra ali caras q vc nem conhece direito, mas q fazem mó diferença pros times q estão

o Dallas tem um ex-desconhecido, Antoine Wright neles!

Geleia disse...

e ae glr??
ow alguem podia traduzir a converssa do kobe com o artest??
http://sports.yahoo.com/nba/blog/ball_dont_lie/post/Kobe-and-Artest-The-lost-trash-talk-audio;_ylt=AqKkZl89dnpZP.YryWxt0Xq8vLYF?urn=nba,147982
meu ingles eh pessimo e a converssa parece q foi boua rsrs

Anônimo disse...

Gostaria de saber do Denis e Danilo se sou obrigado a pagar a taxa de 10 reais caso eu queira ter o direito a premios depois da minha vitoria no fantasy 2? Lembrando que sou de Maputo


Nairo Carlos

Denis disse...

Fala Nairo!

Esquecemos essa história dos 10 reais no fantasy. Melhor jogar pelo prazer do que pelo dinheiro.

O prêmio seria legal mas preferimos não lidar com isso.

E tem e-mail novo na Liga de Fantasy, dá uma olhada na caixa de email do seu time!!

Abraços!!!

Linelson disse...

Proxima coluna tem q ser do Pops Mensah-Bonsu, que muita gente nao conhece